Adolphe - William Bouguereau
The Return of spring 1886


O amor é cego e isso não nego.

Pairam ascendentes seduções.
Suaves recordações.
Invisíveis fontes puras
Acordam na memória viajante.
Aquele olhar radiante

Saudade
Sensível
Arrepios simples

Forro íntimo do sentimento

Gesto silencioso
Que se projecta no peito
Ardor nostálgico
murmúrio terno
seiva melancólica
Aquele olhar radiante
Alimento da sensualidade.

Do fetiche ao abstracto
O corpo, é significado;
a possibilidade da fantasia.
O conter da utopia à metátese*
O poema nunca fala de um louco;
É escrito por ele próprio.

Amar é enlouquecer, ou simplesmente sentir um brisa no olhar.
Um olhar que penetra e chega onde quer e conquista.
Amar é envolver-se, é deixar-se conquistar...

....é simplesmente viver o momento.

* transposição dos termos de um raciocínio do qual se deduz uma consequência.


© Mestrinho