Na Teia



Primeiro não havia nada
Nem mesmo o fino fio da navalha
Nem sentido nem o pensamento obtuso
Estava completamente confuso
Pois não havia nada,
Senão o espírito de tudo
Quando vislumbrei as curvas
que tomam forma de uma diva
Espírito de tudo e que priva
Torna-se o verso e reverso
De tudo que é o universo

Neste primeiro olhar
Assim que passei a desejar
Tudo quanto não havia neste
Sentimento de alegria
Assim passou a haver
Num determinado dia
Vendo-te ali deitada
tão calma e serena
tive vontade de deitar
ao teu lado, mesmo com a alma pequena
sinto o meu olhar
distante, observando teu
corpo nu, sorri suavemente.
abrindo os olhos e a fitar...
Confundir corpos, sentir inteiro,
sem medo e sem pudor
movimentos lentos e ritmados
a loucura de amar.
Nesta carne sobre a carne
gravada numa tatuagem
um só corpo, uma só carne
Da serpente no cio
sedução do prenúncio
do íntimo do desejo.

Sobre a cama
nudez envolvente
que paira sobre a mente
o delírio do destino
As mãos que descobrem os segredos
os lábios que descrevem os gemidos
amor sem tradução longe dos medos



Dois anos estão quase completos, não vou lembrar de todas as palavras pois já me esqueci de algumas, ainda vou conhecer outras, talvez escreve mais uma ou duas. Provavelmente, sentirás o que eu sinto.
Neste tempo passado os meus cabelos ficaram mais claros, meus olhos procuraram mais cores, meu corpo ficou muito tempo sozinho, e minha alma renasceu uma outra diferente. Várias palavras foram escritas. Vários textos criaram vida. Jogados ao vento, expostos, para todos verem. Alguns deveriam ter ficado na gaveta, lá no fundo, para só serem esquecidos. Mas, fazer o que, eu sou assim. É o meu jeito, apenas isso.
O carinho que vem na hora certa, o colo pronto, sempre que é preciso. O sorriso. O beijo saboroso. Os momentos só meus ou nem tanto.

© Mestrinho 2006

Comentários

Mestrinho disse…
Olá a todos que cá passam, peço desculpas pela minha ausencia. Mas o facto deve-se a trovoada que houve no Domingo.. Um raio atingiu a rede electrica da minha casa e fiquei practicamente sem computador e outros electrodomésticos. Só consigo ter acesso no trabalho, mas no trab. o tempo é sempre muito curto para poder, fazer as visitas aos blogs amigos (que não são poucos). Assim que peço a vossa compreensão. Este poema foi escrito no inicio deste ano quando andava nas minhas andanças por Londres, escusado será dizer que foi em um momento de inspiração e de alta refexão. Poderá não estar na totalidade explicito para quem lê, mas a mensagem importante acho que consegui transmitir muito bem.
Espero pode "desembrulhar" o mais rápido possivel desta situação, que não é nada agradável, até porque ainda não acabei de pagar o computador novo e já queimado.
Despeço-me com os melhores cumprimentos a todos e um desejo forte de regresso rápido.
Bjosabraços
Neith disse…
Simplesmente soberbas as tuas palavras.
Já tinha saudades de te ler...Beijinhos
digoeu disse…
Estou de acordo: o amor não requer tradução. Nem medos. Porque o amor transparece até nas veias paradas de sangue. Gostei do que li... Espero que o pc fique de boa e rápida saúde.
A_Amante disse…
Bem deixa-me que te diga, este momento de reflexão foi muito bom. Falas do amor de uma forma muito forte e carregada de atitude e por outro lado falas como se fosse algo tão sublime. Gostei muito, talvez nao tenha retirado a mensagem que tentas passar, mas gostei e tirei a minha mensagem, acho que é o que interessa.
Ofeliazinha disse…
ai não sei porque pareceu-me uma despedida. Não gosto de despedidas. Abraço.
Mestrinho disse…
Óh, Oféliazinha... Não é despedida, de qualquer forma com ou sem tempo tenho sempre acesso a Net e ao meu blog.
A minha despedida é "Até já!" eheheheh
Bjos
Ana disse…
n sei kem és, mas adoro-te!
magnifico sem palavras!
Ariadne disse…
Olá Mestre Eca :)... Obrigada pela tua visita e pelas tuas palavras. Só uma pequena correcção: o blog é o viramundo (não "agua do meu pensamento")... não dava para registar o endereço como viramundo, infelizmente. Espero que continues a visitar-me... entretanto, já estás linkado :)... Fica bem, Bjs. Namasté
isabel disse…
ola
que lindo...fico sem palavaas...parabens....
bom fim d semana
vou estar ausente mas volto quinta feira...
beijinhos
espelhodesombras disse…
Grande, Mestre(Eca), quando solucionares estes probleminhas, me envia a receita, que estou nessa..abraço..
Maria Papoila disse…
Mestre (Eca) É sempre um enorme prazer receber-te no campo. Este teu poema e texto definem o amor , que nunca se traduz, que não tem medo ou barreiras se o é. Este é o amor da partilha dos teus momentos únicos. Melhoras para o p.c. Beijo
eternapartedemim disse…
Olá! Espero que o teu pc fique bom rapidamente! Já tinha saudades de te ler! Um beijinho e até já. *****
Sara Calado disse…
Olá Mestrinho, não me canso de cá passar para ler e reler o enorme arquivo de poemas que tens escrito, mesmo na tua ausencia. Faz muito sentido este poema, é como se fosse eu a escrever sobre os mais intimos dos meus sentimentos. O caminho das nossas vidas que é definido pela nossa forma de pensar e ver o mundo. O teu poema parece um pouco abstrato em certas partes, mas consegui captar a mensagem principal. "O amor que nasce do nada" muito bonita a forma como o descreves.
Um beijo muito grande da tua amiga

Mensagens populares