Um momento de silêncio pode dizer muitas coisas,
Um simples olhar pode conter todas as respostas,
De uma vida sofrida e desgarrada
Vieram sentimentos como que do nada

Foi-se esta lógica.
O promíscuo penar onde:
assassinou-se a esperança.
apresentou-se o desgosto.
retirou-se a vivacidade.
Contraiu-se o medo,
arrependeu-se o conhecimento.
descobertas que traem o coração
do complexo à emoção,
na descoberta à razão
acompanhada pelo silencio das palavras
transforma-se no frio olhar ,
a consciência construída com o tempo,
desmontada em segundos
fruto dos momentos desconhecidos
em sentidos
sobrevivente no sonho
a perde-se em meio aos gestos silencioso
o desgosto apresentou-se.
Apresentou-se a consciência a
entristecer o coração.
Que com a sua falta
de sentido, a constitui.

Talvez seja este somente um desejo de esquecer

E pela vontade de partilhá-lo,
ainda hoje recriamos a vida por amor,
O sentimento nobre e a dor
E pela esperança sustentamos tudo o que nos rodeia,
Colhido de um forte sentimento
A causa desta apneia
À insustentável leveza/ligeireza do ser
uma longa espera de que um dia tornar-se-á,
um sorriso feliz

Mas talvez não saibas que todo
Talvez não saibas mas vem de ti
E o que quero dizer...
Quem sabe o que tu sabes.
Talvez não sabe
O que eu sei
Pois entre tantas coisas,
é também por isso que amo:
Por saber,
Como ninguém de
tudo o que se passa no Amor!

Talvez não o compreendas

© Mestrinho