by Adrian Bischoff


Sentir indiferente a esse olhar
Provocador, insensato, insano...
Todas as manhãs colho esses fresco ar.
Afinal sentir assim sedento de ti, é humano.

Beleza de Mulher em policromia,
Acarinhada no semblante real,
Desejada por um artesão,
Que com sua mão, te molde sem igual.

Sentes o medo epidémico de que a nossa glória talvez fosse a nossa destruição...??
Ou talvez não ....

"Está escuro lá fora e, penso, que é hora
De cavalgar pelos desfiladeiros selvagens
De atravessar a Terra dos Gigantes,
Se eu não voltar com ela,
O terrível Gigante ter-nos-á destruido a ambos.
Só assim a nossa paixão será eterna."


Eu, deus de mim próprio, quero provar o doce pecado apocalíptico, a ti, deusa* de ti própria.


fig., mulher adorável pela sua grande formosura ou pela sua nobreza de apresentação.

© Mestrinho