Além do olhar de afronta feroz
e da loucura atroz
Do corpo que chama, quando avanças.
Da profunda chama que inflama
quando surge a noite, quando danças.
Cumplicidade, por que tudo em ti fala.
Então estamos presos,
Sem remorsos e sem vergonhas
Descobrindo no desafio as artimanhas.
Dominar essa força no coração,
Louco de paixão,
é como cortar a respiração.
Tarados, sentados e atados.


Acordo faminto de um longo sono
Farejo a caça, cordeiro em pele de lobo
Que esconde uma pele clara e rosada
O beijo na tua boca tatuada
Onde provo o vinho e a carne ardente
Beber, sugar, lamber a saliva quente
Penetrar no teu mundo
É encaixar bem fundo
Nas pernas, nas costas, nas partes
Provamos de todas as artes



© Mestrinho 12 Fevereiro de 2006