Nem em toda a Mulher reside esse apêndice de super, mas foi ai que o prazer instalou os seus cadeados mais secretos. Aureolada pelos lábios e pelo desejo de um Homem. É como dizer-te: a tua boca é uma delicia, é por si só um festim.
Por que sabia tão bem fazer-te frente? Por que resistir mais tempo em vez de deixar jogar o meu corpo em cima do teu?
Quando toco os teus lábios convido todos os cumplices dos meus sonhos. Provei o gosto da tua boca, respirei o teu cheiro a mar, excitei-me com a tua respiração. Tenho vontade de te rodear e te possuir. És um mistério que amo. Preciso fazer-te brilhar. Nossas carícias prolongam-se até entorpecer nossos sonhos. Os teus olhos revelam-te, simples e graciosa, astuta, sensual.
Ao ver-te deitada, senti vontade de te olhar sem me apressar, de perder-me loucamente. Ocupando um lugar ao sol, onde pus a minha cabeça no meio do céu e lá de cima passei o meu olhar dos teus cabelos à ponta dos dedos do pé. Que bela viagem fiz entre esses dois espaços. Saber que estavas embriagada de excitação, fez-me demorar onde mais entendia, e pergunto-me quando provarei com os meus lábios a tua pele sedosa. Poisara a mão no teu ventre, pela fraca luz decifrava os teus contornos e delirava ao descobrir novos horizontes. A tua imagem alicia-me a desejar mais. Voltei-me definitivamente para as tuas pernas e deixei-me guiar pelo meu instinto selvagem. Aquela vontade acumulada de levar-te ao paraiso dos prazeres. Onde a nossa fusão tornava-se liquida em padrões de caos, sadudido para a esquerda e para a direita. Tua boca a lamber-me a pele enquanto as mãos baixavam o fato de banhoque jazia agora nos meus pés. Sem perder mais tempo, sem mais uma palavra, esmagamos nossos corpos em um. Estamos conectados a presente acção.
Um desejo ardente.


© Mestrinho