Entoar em cântico
alegre, fresco e resplandecente.
Na chama ardente
O desejo esplêndido,
magnificente e abastado.
Que persiste em desafiar
e sempre a querer escapar.
Como a onda que bate, estremece
e o fio de teia tece.
Como se não foste encontrada em parte alguma,
mesmo que impressionante e desvairada.
Mesmo que derretida em fluxo quente.
Seja amor puro seja vontade eloquente.

Um aroma
Um ícone
A sua força

Emaranhada na face do caminhante,
muito mais que um pensamento
reflectido na mente,
guia do amor terreno.

Um suspiro
A revelação
A percepção
O Arrepio dos pés à cabeça

Voltar a entoar em cântico
é libertar essa escravização
com uma divina intervenção.
E guiá-lo em direcção a ela.
Sentada no seu trono,
Com os olhos virados para a estrela
mais brilhante.
Mirando o cavaleiro,
criador da vibrante ressurreição.
De olhar sensível e distante.
Que no preciso momento
em que Deus escolheu
o principio de tudo no mundo

Ele fala ...

Nos cânticos
Nas canções
Na excitação
Do corpo a alma.

© Mestrinho 26 de Maio de 2006



Sugestão: Gotan Project em Lisboa dia 6 de Julho no Coliseu dos Recreios.